pesquisas

Apenas 8% dos brasileiros compreendem e se expressam plenamente

1 mar 16
Perfil

Apenas 8% dos brasileiros em idade de trabalhar são plenamente capazes de entender e se expressar, por meio de letras e números. Tão somente oito pessoas, em cada 100, estão no nível “proficiente”, o mais elevado do INAF – Indicador de Alfabetismo Funcional.

 

Este é o resultado mais alarmante do estudo realizado pelo Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa, com apoio do Ibope, que foi divulgado agora. Os pesquisadores ouviram 2002 pessoas de 15 e 64 anos de idade, residentes em zonas urbanas e rurais de todas as regiões do país. E o que eles descobriram é que a situação piorou em relação a 2012, quando a mesma sondagem foi feita pela última vez.

 

É considerado “proficiente” o indivíduo que é capaz de compreender e elaborar textos de diferentes tipos (informativos, descritivos, opinativos), consegue analisar o posicionamento ou o estilo dos textos que lê, e é também apto a interpretar tabelas e gráficos. Entende-se ainda que o proficiente é capaz de elaborar, planejar e controlar processos, para resolver situações dos mais diversos tipos.

 

Segundo o relatório “Alfabetismo e o Mundo do Trabalho”, que sintetiza a pesquisa com o INAF em 2016, foram ampliados para cinco os níveis de alfabetismo funcional. Os percentuais obtidos por nível foram: analfabeto (4%), rudimentar (23%), elementar (42%), intermediário (23%) e proficiente (8%). O grupo “analfabeto”, somado ao “rudimentar”, compõe o o que se conhece por “analfabetos funcionais”. Eles são 27% dos brasileiros, hoje.

 

Essa situação coloca um enorme problema não apenas para as políticas públicas de educação e cultura, ou para todo o mercado de informação e comunicação. Ela atinge diretamente o marketing político, em seu esforço de aprimorar a expressão de candidatos e governantes, ampliar o conhecimento sobre seu trabalho e diminuir a distância entre eleitores e eleitos.

 

“Comunicação não é o que a gente diz, mas o que o outro entende” – diz a frase conhecida, que ninguém sabe ao certo quem formulou e muitos repetem. Talvez seja o caso de arquivá-la, se a ciência demonstra que, no Brasil, quase ninguém entende qualquer coisa que se comunique.

 

Veja aqui o relatório “Alfabetismo e o Mundo do Trabalho”, com mais detalhes da pesquisa.

 

 

Fonte: Instituto Paulo Montenegro / Ação Educativa

 

Foto: soupaisolteiro

 

 

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.

Publicações relacionadas

Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 revela os hábitos de informação dos brasileiros

Pesquisa mostra poder da propaganda negativa nas eleições

Voto feminino é conquistado nos anos 30, mas direito do analfabeto sai só em 1985

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...