depoimentos

Por que demorei para sair do armário

1 jun 15
Perfil

Vício solitário. Ou, talvez, nem vício, nem solitário. Réu confesso, devo admitir que desde 1992, quando trabalhei em minha primeira campanha política, não colocava a informação em currículo nenhum. E olha que desde lá foram 13 campanhas. Estaduais e municipais. Em seis delas fui o coordenador geral de rádio, TV e mídia impressa, o que não é pouca responsabilidade, quem é do ramo sabe.

 

Só muito recentemente sai do armário e digo, sem vergonha alguma, que trabalhei e logrei sucesso em muitas campanhas. A mídia, os colegas de profissão e mesmo a tal opinião pública fizeram com que muitos de nós que trabalhamos em campanhas nos sentíssemos indignos, pelo ofício de realizar programas de rádio e TV para o horário político, entre outras atividades de campanha.

 

Como se muitos de nós não estivéssemos ali ganhando o nosso dinheiro oferecendo o que sabemos fazer: editar, dirigir, redigir e afins. Vocês podem dizer que existe uma tremenda manipulação nesse ofício e eu lhes respondo simplesmente: no rádio , na televisão, nos jornais e portais onde trabalhamos não tem ? Ora, deixemos de hipocrisia.

 

Não posso dizer pelos outros, mas o que me desafia e motiva numa campanha política não é o candidato em si. E sim a vontade de fazer o mais palatável e bem arrumado programa possível. A sensação de urgência, a rapidez é mais do que pré-requisito para estar à frente de um programa desses. A equipe tem que ser colaborativa entre si e o astral não pode cair. Com o perdão do lugar comum, “a orquestra tem que ser mais do que afinada”.

 

Grosso modo, um coordenador-geral de campanha é aquele que está ao lado ou logo abaixo (hierarquicamente falando) do marqueteiro-chefe. Marqueteiro que, para se sair bem, deve ter ao menos três características fundamentais desejáveis: senso de liderança, expertise no ramo e serenidade para aguentar as terríveis pressões do cliente e de seus apaniguados, assessores e uma plêiade de puxa-sacos, que às vezes são inevitáveis, especialmente se o cliente for um governador ou prefeito que tenta a reeleição.

 

Eu estive sob comando de bons e maus marqueteiros. Em dois casos, os marqueteiros eram tão assoberbados em campanhas Brasil afora que acabei por acumular a função de coordenador com a deles, monitorando pesquisas, definindo estratégias. Sem mágoas por isso. Foi jogo combinado.

 

Aliás, em qualquer campanha, o melhor é o jogo combinado. Quem te contrata diz o que quer e para onde quer ir. Você agrega seu conhecimento e criatividade, e vai em frente. E reza para ter a sorte de receber o valor tratado, ao final.

 

Isso também é jogo combinado. Na maioria das vezes o pessoal que lhe contrata honra as calças e saias que vestem. Outros são caloteiros contumazes. Das 13 que fiz, não recebi apenas uma. Justamente de um elemento que posa de guardião da decência e moralidade.

 

Mas deixemos os dissabores do ofício de lado. Eu demorei para sair do armário, mas lhes garanto que é ótimo assumir que gosto de fazer isso. Campanha política. Com bons marqueteiros, de preferência.

 

 

Foto: quickcachr

 

 

 

 

Diretor de TV, escritor, roteirista, cronista e jornalista. Trabalhou em inúmeras funções em revistas, jornais e rádios Brasil afora. Na televisão, atuou diante e atrás das câmeras. Fez 13 campanhas políticas. Escreveu diversosos livros, a maioria infanto-juvenis. 

Publicações relacionadas

Embusteiro? Não senhor!

Marqueteiro, o grande incompreendido

Je Suis Marqueteiro!

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...