exterior

Trump dá o tom no debate dos pré-candidatos republicanos

7 ago 15
Perfil

Joan Faus informa em El País Brasil:

 

Sob a pressão da transmissão ao vivo na televisão e do escasso tempo para responder perguntas, o primeiro debate dos postulantes republicanos à Casa Branca em 2016 foi um termômetro da longa disputa eleitoral: consolidou os candidatos com maiores condições de conseguir a nomeação e constatou a virada conservadora, propiciada pela subida de Donald Trump nas pesquisas.

 

Todos os olhares na noite de quinta-feira no debate de Cleveland estavam em Trump, que lidera as sondagens a 15 meses das eleições presidenciais. E o magnata imobiliário não decepcionou. Manteve sua retórica provocadora, até mesmo contra uma das moderadoras do debate, e dominou o palco. Mostrou-se firme em seus argumentos críticos contra a imigração e o establishment político, evitou perguntas espinhosas, foi pouco atacado pelos outros candidatos e conseguiu até mesmo que alguns deles respaldassem suas opiniões.

 

O ex-governador da Flórida Jeb Bush, em segundo nas pesquisas, e o senador Marco Rubio, em sexto, apresentaram-se com segurança no ginásio de basquete dos Cleveland Cavaliers e mostraram um perfil presidencial. Rubio esteve especialmente à vontade e didático, e manteve sua mensagem de novidade, posicionando-se como um candidato jovem – é 20 anos mais novo do que Bush e Trump, que estão na casa dos sessenta –, conectado com os desafios do futuro.

 

Tanto Rubio como Bush mandaram mensagens duras sobre a imigração e assuntos sociais, apesar de mostrarem discurso progressista em política econômica: defenderam o apoio à classe média afetada pelos efeitos da crise econômica, em uma tentativa de fazer frente à estratégia de Hillary Clinton, favorita à nomeação do Partido Democrata, contra a grande desigualdade de renda. “Precisamos levantar os ânimos. Existem seis milhões de pessoas a mais em situação de pobreza do que no início do mandato de Obama”, disse Bush.

 

O governador de Wisconsin, Scott Walker – terceiro nas pesquisas – mostrou-se um pouco mais contido do que os outros favoritos e foi o mais conservador deles em assuntos sociais, como o aborto. Walker, assim como Trump, Bush e Rubio, conseguiu dar a sensação de sobressair-se no debate, o que é um desafio, devido ao formato com 10 participantes e poucos minutos para cada um deles.

 

Nas duas horas do debate, que em linhas gerais manteve um tom diplomático, Trump insistiu na mensagem catastrofista que o fez subir nas pesquisas, a seis meses do início do processo das primárias. “Acredito que o principal problema desse país é ser politicamente correto”, disse o empresário, apresentando-se como o único candidato autêntico e capaz de enfrentar as ameaças externas. Entre elas, a suposta responsabilidade do México na chegada dos imigrantes aos EUA e da China no desembarque de produtos comerciais baratos.

 

Sobre imigração, Trump acusou novamente o México de enviar criminosos, mas colocou a responsabilidade nos Estados Unidos. “Nossos políticos são estúpidos e o governo mexicano é muito mais esperto (…), porque não quer tomar conta deles quando os estúpidos líderes dos Estados Unidos o farão”, afirmou ele, diante dos aplausos de parte do público.

 

O magnata e estrela da televisão se gabou de ter transformado a imigração em um assunto importante na campanha e sua linha dura contagiou os outros candidatos. Como já havia ocorrido nas últimas semanas, eles frisaram que a prioridade deve ser garantir a segurança fronteiriça. Rubio afirmou, inclusive, que apóia o plano de Trump de construir um muro na divisa com o México e disse entender parte do sentimento de frustração sobre a imigração. “As pessoas sentem que estão se aproveitando de nós”, disse sobre a entrada de imigrantes ilegais.

 

Jeb Bush, o pré-candidato mais moderado em imigração, reiterou sua aposta de estabelecer um caminho para a regularização, mas frisou que ela deve ser feita sob condições e defendeu melhorias na segurança. “Precisamos controlar nossa fronteira, é nossa responsabilidade escolher quem entra”, disse.

 

Os candidatos também abordaram o estado da economia, a política exterior do Governo Obama e sua reforma na área de saúde. As críticas foram duras, mas a censura ao presidente e a Hillary Clinton foi menor do que a esperada. Os candidatos pareciam mais preocupados em evitar erros, conscientes de que, com o início dos debates, abre-se uma nova fase na longa disputa eleitoral.

 

Após Cleveland, estão previstos outros 11 debates republicanos. O último será em março de 2016. O processo das primárias, no qual um grupo de simpatizantes vota nos candidatos, só começa em fevereiro. Para conseguir a nomeação, além de se destacar nas primárias, o candidato vencedor deve ter força econômica, o apoio das elites e construir uma coalizão ampla na heterogênea base republicana. A convenção para designar o candidato republicano à Casa Branca será realizada em julho, novamente em Cleveland, no mesmo ginásio do debate.

 

Nas primárias, os eleitores mais radicais costumam votar em massa, o que pode prejudicar os candidatos mais moderados. Essa realidade é especialmente visível em Iowa, o primeiro estado que realizará as primárias. Em New Hampshire, o segundo, existe uma proporção significativa de eleitores independentes, o que pode ocasionar surpresas.

 

Confira aqui o debate republicano na íntegra:

 

 

Foto:AP/Tampa bay Times

 

 

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.

Publicações relacionadas

Conservador e intolerante, Donald Trump lidera corrida entre os Republicanos

Jornalistas põem dinheiro na campanha de Hillary

Hillary Clinton lança vídeo em defesa do casamento gay

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...