exterior

Le Pen faz da extrema direita o principal partido da França

8 dez 15
Perfil

Gabriela Cañas informa em El País Brasil

Marine Le Pen levou, neste domingo, a Frente Nacional, partido da extrema direita francês, às maiores taxas de sua história. A formação conquistou, no primeiro turno das eleições regionais, cerca de 30% dos votos, superando os Republicanos do ex-presidente Nicolas Sarkozy e os socialistas do atual presidente François Hollande. É um patamar inédito para a extrema direita, que confirma o êxito da estratégia da presidenta do partido de “desdemonizar” a organização, que vem conquistando adeptos nas classes populares.

 

A filha do fundador da Frente Nacional consolidou neste domingo o partido ultranacionalista e anti-imigração como o primeiro partido da França. “E isso, amplamente”, insistiu o vice-presidente da organização, Florian Philippot, depois de tomar conhecimento dos primeiros resultados do primeiro turno das eleições regionais. Marine Le Pen permitiu à FN um avanço espetacular desde que assumiu as rédeas de sua direção em 2011. O eleitorado consagrou sem margem a dúvidas a sua estratégia. Já o havia feito nas eleições para o Parlamento Europeu em 2014 e registrou uma nova vitória em março passado, nas eleições departamentais. Com o pleito deste domingo, realizado apenas três semanas após os piores atentados já registrados na França, com 130 mortos, a organização consegue uma aceleração inédita. Ela foi, além disso, o partido mais votado no primeiro turno em seis das 13 regiões metropolitanas em disputa.

 

Marine Le Pen tem forte possibilidade de conquistar a presidência da região Nord-Pas de Calais-Picardie. Neste primeiro turno, com 89% dos votos apurados, ela registrava 41,65% do total. Exultante diante da votação obtida, foi breve e solene, porém, em sua primeira declaração: “O povo se exprimiu. A França volta a erguer a cabeça”, afirmou. Mais tarde, chamou todos os seus “compatriotas a votarem no próximo domingo”, no segundo turno.

 

Uma virada geral à direita

 

Os Republicanos, partido presidido por Nicolas Sarkozy, se apresenta nas eleições sob a direção dos centristas. Seu discurso, porém, esteve mais próximo do que nunca do da extrema direita. A direitização generalizada é evidente. Depois dos atentados terroristas de 13 de novembro, o Partido Socialista adotou medidas extraordinárias: algumas delas amplamente defendidas pela Frente Nacional. E planeja adotar outras, na mesma direção.

 

Laurenht Wauquiez, secretário-geral dos Republicanos, foi mais além, depois dos atentados, exigem a criação de centros de internação para as 4.000 pessoas fichadas no país por terrorismo. Wauquiez concorre em Auvergne Rhône-Alpes, onde seu partido foi o mais votado no primeiro turno.

 

Mais difícil é a situação de outro candidato de centro-direita, Christian Strosi, que enfrenta Marion Marechal Le Pen em Provence-Alpes-Côte d’Azur (PACA). Strosi exibe um discurso anti-imigração bastante duro, fala em “quinta coluna do islamofascismo”, que teria declarado “uma terceira guerra mundial contra a civilização judaico-cristã”. Para esse deputado, o fato de possuir um documento de identidade não torna a pessoa, necessariamente, um francês. A retirada da candidatura do PS pode lhe favorecer para obter uma vitória no segundo turno domingo que vem.

 

Seu principal adversário na região, Xavier Bertrand, dos Republicanos, fez um apelo à esquerda para que se uma à sua candidatura com o objetivo de derrotar Marine Le Pen. “A FN levaria a região a uma situação de angústia e de declínio”, alertou. O presidente do partido,Nicolas Sarkozy, insistiu nessa posição: Os Republicanos não irão retirar nem se unir com outros no segundo turno. Os socialistas é que terão de votar nos seus candidatos para que se derrote a Frente Nacional.

 

O Partido Socialista reagiu anunciando a retirada de seus candidatos nas duas regiões onde a FN disparou: Nord-Pas de Calais-Picardie e Provence-Alpes-Côte d’Azur (PACA), onde Marion Marechal Le Pen obteve 42,87% dos votos (com 64% das urnas apuradas). A decisão foi anunciada pelo primeiro-secretário do PS, Jean-Christophe Cambadélis. Como indicavam todas as pesquisas, o Partido Socialista é o grande perdedor das eleições. Até agora, o partido governava, junto com aliados, 21 das 22 regiões metropolitanas. Com o novo mapeamento, definido no ano passado, manterá o controle de apenas duas, no máximo três, das 13 novas regiões.

 

A centro-direita registrou uma derrota relativa nestas eleições, tendo sido incapaz de capitalizar o declínio dos socialistas e de conquistar espaços da extrema direita. Foi o partido mais votado em apenas quatro das 13 regiões em disputa. Diante do baixo comparecimento dos eleitores, Sarkozy fez um apelo à mobilização para tentar conter a FN no segundo turno. A previsão é de que consiga conquistar no próximo domingo importantes fatias de poder. Seu discurso, além disso, teve um caráter nacional: “O veredito dos franceses é muito claro. A prioridade, para os franceses, é que a República pare de recuar, como tem feito nos últimos quatro anos”. “Os Republicanos são a única alternativa com credibilidade”, acrescentou o ex-presidente.

 

As eleições regionais fornecem à Frente Nacional uma plataforma inédita para continuar avançando na França. As regiões francesas dispõem de atribuições bastante limitadas: em suas mãos está a gestão administrativa das escolas, a organização dos transportes públicos, o apoio às pequenas e médias empresas e a política ambiental. Institucionalmente, porém, trata-se de um passo decisivo, e seus orçamentos são consideráveis: o governo de Nord-Pas de Calais-Picardie, que poderá ser dirigida por Marine Le Pen, conta com 3,3 bilhões de euros (cerca de R$ 13,2 bilhões) ao ano. A administração da região de PACA, que pode vir a ser dirigida por Marion Marechal Le Pen, tem orçamento anual de 2,1 bilhões de euros (R$ 8,4 bilhões).

 

A Frente Nacional terá um ano e meio para se mostrar como um partido de governo, capaz de administrar instituições de peso mais significativo, até as próximas eleições presidenciais, em 2017. O pleito deste domingo, além de ter sua importância aumentada por sido o primeiro desde os atentados terroristas de Paris, é também último antes da corrida presidencial. Por isso, a punição sofrida pelo Partido Socialista é carregada de simbolismo.

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.
últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...