opinião

Uma lição da história que todo político devia aprender

9 jul 15
Perfil

Estamos no começo dos anos 80, no século passado. Primeira eleição para governador no Brasil, no fim da ditadura. Jorge Cunha Lima era o responsável pela comunicação da campanha de Franco Montoro, do MDB, e me chamou para ajudar.

 

Já tinha várias agências de propaganda, importantes e voluntárias, fazendo a parte gráfica. Jorge me pediu para trabalhar na campanha eletrônica, junto com Paulo de Tarso Santos (a primeira vez que eu e o Paulinho trabalhamos juntos) e com o cineasta Jorge Bouquet. Ele pediu pra gente criar alguma coisa forte, diferente.

 

Havia uma lei que limitava bastante a propaganda política na época, chamada Lei Falcão. Por ela, só éramos autorizados, na TV, a exibir a foto 3X4 dos candidatos e falar o currículo dele. Ficamos lendo e relendo a lei e achamos aí uma brecha: ela falava do currículo, mas não dizia claramente que devia ser o currículo do candidato.

 

Então criamos uma peça que exibia uma foto 3X4 atrás da outra, com a cara de todos os candidatos do partido e ao fundo, com a voz emocionada do Montoro, contávamos o currículo do partido – sua luta contra a ditadura. Explicamos para ele que aquela peça era muito forte e que devia ir ao ar apenas uma vez, porque os outros partidos políticos iriam reclamar e ela seria tirada do ar pela Justiça Eleitoral.

 

Para nossa surpresa, ninguém reclamou. A ousadia saiu na capa de todos os jornais do Brasil. E, ao contrário, todos os outros partidos fizeram a mesma coisa, enquanto a Justiça Eleitoral ficou quieta. Foi assim que, de uma hora para outra, caiu a famigerada Lei Falcão.

 

Daí para a frente, a comunicação eleitoral no Brasil só evoluiu, com liberdade, até chegarmos ao formato dos dias de hoje: programa eleitoral e comerciais veiculados no meio da programação normal da emissora. A gente passou a usar os formatos e as técnicas mais modernas, procurando dar mais dinâmica e ritmo, tentando tornar a comunicação política cada vez mais agradável para os eleitores/telespectadores.

 

Parece que pouca gente sabe ou não se lembra dessa estória que acabou fazendo história. Principalmente os políticos, que hoje estão querendo, de novo por uma lei, colocar limitações na nossa propaganda política.

 

Ele usam dois argumentos. O primeiro é que a comunicação que se faz agora torna as campanhas muito caras. Marqueteiros já mostrou que os gastos totais de comunicação, criação e produção não chegam a 20% dos custos totais de uma campanha política. O grande gasto de uma campanha são as alianças políticas, que levam o candidato principal a bancar os custos de seus aliados.

 

O segundo argumento é que, com esse formato, as campanhas enganam o eleitor, mentindo e mostrando uma imagem do político que não é verdadeira. Como se o formato fosse responsável pelo conteúdo.

 

Bote um político de cara limpa diante das câmeras, sem nenhuma cena externa, e ele vai acabar dizendo a mesma coisa que diria numa campanha livre como hoje. Só que ficaria muito mais chato. E a audiência dos programas eleitorais, que já não é tão grande, cairia mais ainda.

 

Prefiro acreditar na liberdade e na inteligência dos brasileiros. A gente já aprendeu, na iniciativa privada, que quando uma empresa mente sobre seu produto, pode até vender no começo. A pessoa pode comprar uma vez, mas depois nunca mais compra esse produto. É o que também deve acontecer na política.

 

Achei importante lembrar essa estória, nesse exato momento em que nossos políticos tão democráticos estão discutindo que tipo de censura (qualquer limitação é censura) vão colocar na comunicação política no Brasil. Em vez de deixar nossa democracia evoluir, aprender livremente a fazer campanha política e a votar.

 

Acredito na liberdade, como valor básico. Qualquer coisa contra ela não é democrática. Acredito também que os brasileiros estão aprendendo, eleição a eleição, a votar – e votar melhor. Mais ainda, a se manifestar e lutar por novos canais de participação. Democracia é um aprendizado constante. Vamos construir a nossa com liberdade.

 

Vamos, senhores políticos?

 

 

Foto: Reprodução de Vídeo

 

 

Publicitário, Jornalista e marqueteiro. Responsável pela campanha Beto Richa governador (PR), em 2014. Participou da equipe que dirigiu a comunicação das campanhas de Geraldo Alckmin (São Paulo) e Darcy Vera (Ribeirão Preto) à prefeitura, em 2008. Criou a campanha a…

Publicações relacionadas

Duas reformas. Ambas por fazer.

Bode na sala? Chamem o marqueteiro

Comunicação pela metade não faz democracia plena

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...