opinião

O engodo das enquetes que não pesquisam nada

9 nov 15
Perfil

O tema não é importante. Raramente teve relevância, mas sempre está presente em todos os cenários políticos, o tempo todo: a desinformação produzida por enquetes sem valor estatístico.

 

Acabo de ter acesso a uma “enquete”  divulgada por César Maia, político do Rio de Janeiro com fama de marqueteiro, onde aparecem em empate técnico na disputa pela prefeitura carioca o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), o deputado federal Jair Bolsanaro (PP) e o senador Romário (PSB).

 

A notícia surpreende. Um empate como esse aponta para a possibilidade de que, no Rio, qualquer resultado, com qualquer viés ideológico, é viável, o que contraria toda a história política carioca. Claro, fomos aos detalhes.E abaixo da manchete, em letras bem menores, vimos tratar-se de uma enquete de 450 entrevistas.

 

Ou seja, para um colégio eleitoral como o carioca, com mais de 4 milhões de eleitores, apenas 450 entrevistas. A margem de erro estatística do trabalho de César Maia é, seguramente, de mais de 10%. Mas ele coloca o resultado  em manchete. E nada menciona sobre a margem de erro. Ou seja: oferece desinformação, da mais pura e simples.

 

Temos tradição no ramo das “enquetes”. Por definição, enquete é um levantamento de opinões sem controle do “campo” pesquisado, que não obedece a nenhuma técnica de corte pelo perfil do eleitorado. Ou seja, ela reúne informações de botequim e, o que é pior, do mesmo bairro, da mesma rua. Como informação, seu valor é zero. Trata-se de um “apanhado” de posições, quase sempre sem nenhuma isenção e sem nenhuma menção à falta de valor real dos dados.

 

Mas, como arma política, às vezes funciona. Em 1985, tivemos uma estratégia com base em “enquetes” diárias que funcionou. A rádio Jovem Pan, de São Paulo, passou a entrevistar “eleitores” nas ruas durante toda sua programação e 90% deles respondiam, ao vivo, que votavam em Jânio Quadros para prefeito, contra Fernando Henrique Cardoso.

 

Era o dia inteiro. A insistência era tanta que começamos a perceber que a rádio estava claramente espalhando um boato que não correspondia à realidade, porque FHC liderava nas pesquisas técnicas, tanto as públicas quanto as internas. Mas, com o boato, a Pan mudava opiniões e influía no pleito. Perdíamos votos todos os dias.

 

Tentamos todas as instâncias jurídicas para interromper a ação da rádio e nada funcionou. Não foi possível tirar a “enquete” do ar. A Justiça Eleitoral da época, herdeira da ditadura,  entendia esse perfil de divulgação de “dados” como informação jornalística… E no final, com a derrota de FHC, ainda houve gente que  louvou a “tecnicidade” do “trabalho” da Jovem Pan.

 

Em 1988, a divulgação de enquetes foi proibida. Hoje veiculam-se apenas os resultados de pesquisas registradas, com seus questionários e critérios colocados à disposição da Justiça Eleitoral, para acesso de qualquer cidadão. Mas, com a chegada das redes sociais, e mesmo antes dela, a moda das enquetes parciais nunca passou. Sempre foi utilizada para vender gato por lebre.

 

O jornalista Ricardo Noblat, em seu blog, faz enquetes todos os dias. Os temas vão da cor da Lua aos direitos dos aposentados. A revista Veja, em sua versão on-line, também divulga enquetes todas as semanas. O jornal digital Brasil 247 igualmente faz enquetes com regularidade.

 

Os casos são inúmeros e defendem as teses mais esdrúxulas. Temos enquetes afirmando que a população quer a volta dos militares e até que existe grande simpatia pela monarquia. Quem gosta de se informar  está sujeito a cair no “conto da enquete” a qualquer momento. E a formar opinião a partir de informações isoladas, movidas por interesses.

 

Verificar é essencial. Ficar bem de olho na enquete. Lixo para ela. Convém sempre conferir a atualidade e a qualidade técnica de toda informação eleitoral que chegar às mãos.

 

Enquete faz candidato gato virar lebre. Faz candidato favorito despencar só no papel, na opinião de quem divulga. E faz eleitor espalhar informação falsa sem nem perceber.

 

 

Foto: viibus

 

 

Publicitário, criador das campanhas Lula Presidente-1989 e 1994 e Marina Silva em 2010. Com experiência em campanhas majoritárias em diversos estados brasileiros.
últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...