opinião

Por mais estratégia e marketing nos protestos políticos

16 abr 15
Perfil

Antes do lançamento do blog Marqueteiros, Gabriel Priolli havia me pedido um artigo, mas eu atrasei. Só agora resolvi cumprir minha obrigação e saí em  busca de um tema que, aliás, estava na minha cara. O segundo Fora Dilma.

 

Antes quero dar alguma informação sobre o que eu entendo como nossa profissão. Estratégia política é como jogar xadrez, cada um tem a capacidade de antever um número de jogadas a frente. Os melhores são os capazes de ver mais longe e aqui entram inteligência, vivência e visão histórica. Eu respeito os profissionais da nossa área quando são menos militantes, mais sérios e críticos em relação aos problemas de seu cliente.

 

Bom, dito isto, deixa eu meter minha colher torta nesse movimento Vem Pra Rua. No dia 15 de março, por dever de profissão e a pedido da minha filha mais nova, caminhei até a Avenida Paulista, para ver como ia ser o protesto “coxinha” contra a presidente Dilma Rousseff.

 

A convite do meu amigo Zeca Rodrigues, então diretor de criação da Adag, participei das Diretas Já como profissional, editando vídeos de 15  segundos, chamando para os comícios. Mas fui lá também como militante. Afinal, estive também no culto ecumênico em homenagem a Wladimir Herzog, além de outras passeatas contra a ditadura militar.

 

O movimento Fora Dilma, comparado a estes outros, é uma verdadeira salada ideológica, mas nem por isso menos democrático. O tema principal era a corrupção e outras tantas variantes. Mas o que me interessa é discutir a importância da estratégia política, a vivência e o conhecimento histórico dos movimentos.

 

O que houve? Ou, que erros os organizadores cometeram para esse esvaziamento? Não caia na análise fácil de que a vida da presidente está mais fácil. A pesquisa mostra que a popularidade da presidente continua em baixa e, infelizmente, a economia não dá mostras de melhorar. Então, por que murchou? É aqui que começa nosso trabalho.

 

De cara, um problema é a multiplicidade de objetivos, fator que fez o sucesso da primeira vez, mas complica a sequência dos eventos. Na Paulista existia um sem número de pequenos comícios. Se um grupo defendia a volta dos militares, outro virava a cara não gostando da história. Outros gritavam “Fora Dilma” e boa parte queria os corruptos na cadeia. Havia também os que gritavam contra o Lula, contra políticos ou contra o Congresso.

 

Problema também é a proximidade dos eventos. Quando saí da Paulista, já anunciavam a nova data, 12 de abril. Pensei comigo na hora: vai ter menos gente!

 

Outro fator é a falta de liderança única, a multiplicidade dos carros de som, cada um com um tipo de discurso. O único fator que unia a multidão era o verde-amarelo e o hino nacional. Os meninos que deflagraram a ação via internet provavelmente não pensavam que seria tão grande. Na verdade, ninguém imaginava.

 

Para mim, o maior erro foi a marcação dos eventos todos num único dia, no Brasil inteiro, com uma única nuance – o horário. Mas essa variação é muito pouco.

 

Nas Diretas Já, por exemplo, os eventos faziam uma verdadeira volta no Brasil, em cada capital era uma festa. Isso fazia o público ir aumentando a cada comício. Principalmente, não cansava o cidadão que trabalha e pode dispor de um dia para protestar, mas não pode cumprir uma agenda de protesto todo mês.

 

Diferente disso é o panelaço, que ninguém precisa sair de casa, é barulhento, mas, mais cômodo.

 

Um trabalho bem feito de assessoria, estratégia  e marketing político poderia ajudar a evitar estes deslizes.

 

 

Foto: Marcelo Camargo-Agência Brasil /Flickr

 

 

Diretor de cinema, publicitário e estrategista político com 30 anos de experiência. Fez campanhas vitoriosas no Brasil (FHC, 1994), Portugal (Durão Barroso) e Espanha (Esperanza Aguirre). Membro da Academia Brasileira de Marketing, na cadeira de marketing político.
últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...