notícias

Tiririca é condenado por parodiar Roberto Carlos em campanha eleitoral

19 mar 15
Perfil

Fausto Macedo e Julia Affonso informam no Blog Fausto Macedo:

 

 

O deputado Tiririca (PR/SP) não pode mais usar a música “O Portão”, do cantor Roberto Carlos, em suas campanhas eleitorais. A decisão, da Justiça de São Paulo, foi publicada no último dia 13 de março no Diário da Justiça Eletrônico (DJE). O juiz Márcio Teixeira Laranjo, da 21.ª Vara Cível da Capital, acolheu ação movida pela EMI SONGS do Brasil Edições Musicais Ltda. O valor da condenação será calculado quando a sentença for definitiva.

 

Na campanha de 2014, em que Tiririca foi reeleito deputado federal, o Partido da República (PR) parodiou uma das canções mais famosas de Roberto em jingles que marcaram o horário eleitoral. Com base no argumento da propriedade intelectual e da violação de direitos autorais, os advogados da EMI SONGS alegaram que “não houve prévia autorização para utilização da obra”, de autoria de Roberto e seu parceiro Erasmo.

 

A ação foi apresentada em setembro de 2014, antes mesmo da eleição. Na ocasião, os advogados da EMI SONGS pediram liminar da tutela específica para que os réus (PR e Tiririca) “se abstenham de veicular filme publicitário que utilize a música e a letra adaptada, em qualquer meio de comunicação, bem como sejam os réus compelidos a exibir inteiro teor da decisão judicial, a fim de dar publicidade aos fatos aqui narrados”.

 

O juiz Márcio Laranjo decidiu, então, liminarmente, que “deve prevalecer a garantia dos direitos autorais na obra utilizada na paródia”. O juiz, no entanto, não acolheu o pedido para que o inteiro teor da decisão fosse veiculado na propaganda político partidária do deputado.

 

“A princípio, a mídia brasileira divulgou amplamente o descontentamento dos compositores e da gravadora com a veiculação do filme publicitário, o que já bastaria para dar amplo conhecimento do uso não autorizado da obra pelo (então) candidato a deputado federal.”

 

Agora, em sentença, o juiz da 21.ª Vara Cível manteve “a antecipação dos efeitos da tutela jurisdicional (liminar de setembro de 2014)”. Ele determinou o pagamento de indenização por danos materiais pelo uso e alteração da letra da obra a ser apurada em liquidação.

 

“Por força da sucumbência, condeno os requeridos no pagamento das despesas processuais e honorários advocatícios, que arbitro em 10% do valor da condenação”, decretou o juiz.

 



COM A PALAVRA, A DEFESA DO TIRIRICA.

 

O advogado do PR e do deputado Tiririca, Ricardo Vita Porto, declarou que vai recorrer da sentença da 21.ª Vara Cível da Capital. “Vamos levar a questão à apreciação do tribunal, acredito que (a condenação) deve ser revista e até afastada.”

 

Vita Porto assinala que o pedido da gravadora de “O Portão” se baseia no argumento de que a propaganda de Tiririca pretendia passar para os eleitores a ideia de que Roberto Carlos apoiava o político.

 

“Evidentemente essa não era a intenção da propaganda. E não foi assim que o eleitor recebeu o programa do deputado. Trata-se da campanha de um humorista que se utilizou de uma paródia, é verdade, durante o horário eleitoral, mas que de forma alguma se pode associar a uma espécie de apoio do Roberto.”

 

O advogado pondera, ainda. “Sequer foi uma paródia, o quadro apresentou letra de música totalmente alterada. Além disso, a lei de direitos autorais é bastante clara ao dizer que no caso de paródia não é necessária a autorização do artista. Então, a gente começa a caminhar num terreno muito complicado na medida em que um artista tem que autorizar, isso afronta a liberdade de expressão.”

 

LEIA A DECISÃO NA ÍNTEGRA

 

 

POR FAUSTO MACEDO & JULIA AFFONSO – REPRODUZIDO DO BLOG FAUSTO MACEDO

Foto: Reprodução

Marqueteiros reproduz notíticas e artigos relevantes sobre a comunicação política, publicados na imprensa brasileira e mundial.
últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...