opinião

Regras demais nos debates eleitorais

19 ago 16
Perfil

Folha de S.Paulo comenta em editorial:

 

Em terceiro lugar na última pesquisa Datafolha, com 10% das intenções de voto, a deputada federal Luiza Erundina (PSOL) se vê impedida de participar do debate entre candidatos à Prefeitura de São Paulo que será promovido pela Folha, pelo UOL e pelo SBT no dia 23 de setembro.

 

Pela legislação em vigor, apenas candidatos de partidos com um mínimo de nove deputados federais têm assegurada sua presença em encontros desse tipo. É paradoxal: a regra garante a participação a postulantes de menor representatividade, como Major Olimpio, com 2% das preferências, pois seu partido, Solidariedade, conta com 14 deputados em Brasília.

 

A norma procura, sem dúvida, evitar a ocorrência tumultuária e não raro ridícula dos chamados “nanicos” em debates de inegável interesse público. O mesmo interesse, todavia, sai prejudicado quando a terceira colocada nas pesquisas, que já exerceu o cargo de prefeita de São Paulo, é impedida de discutir.

 

O paradoxo ganha intensidade quando se leva em conta uma bizarra exceção prevista na norma: candidatos cujos partidos não atendem ao mínimo estipulado poderão participar desde que dois terços dos “autorizados” assim o permitam. Na prática, os participantes têm o poder de decidir sobre a presença de um adversário.

 

Foi o que transpareceu da decisão dos candidatos João Doria (PSDB), Marta Suplicy (PMDB) e Major Olimpio (SDD) de vetar o convite a Erundina. Celso Russomanno (PRB) e Fernando Haddad (PT) aceitaram sua participação.

 

Não consta que a ex-prefeita seja temível pela retórica destrutiva, pelo sarcasmo ou pela habilidade em vencer debates eleitorais. Num quadro marcado pela fragmentação do eleitorado, e tendo em vista que o PSOL dispõe de mínimo tempo na propaganda obrigatória, a estratégia de excluir Erundina visa sobretudo a desidratar sua candidatura.

 

Candidatos não são os melhores juízes do que constitua o interesse público. Tampouco haverá regras abstratas, como o tamanho de uma bancada federal, capazes de distinguir entre uma legenda de aluguel a serviço de um microcandidato folclórico e o partido pequeno, mas que apresente um candidato sério e representativo.

 

É aos próprios órgãos de comunicação, a quem importa zelar pela qualidade do evento, que caberia decidir sobre seus participantes.

 

A relevância jornalística e o interesse público são os únicos critérios razoáveis a seguir. Num país sob domínio das regras burocráticas —e dos que sabem manipulá-las em conveniência própria—, isso é o que menos conta.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo / Opinião

 

Ilustração: sdtimes.com

 

 

 

 

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.

Publicações relacionadas

Erundina lança um novo partido: a Raiz

Senado aprova janela para mudança de partido e cláusula de barreira para debates

Marcelo Freixo fará “escândalo” se for proibido de ir a debates

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...