opinião

Campanhas para governar, não apenas para ganhar

20 out 16
Perfil

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo na ferida de como devem se requalificar as campanhas eleitorais e seus profissionais. No centro do terceiro encontro entre eles, franco e cheio de baixas provocações, surge o verdadeiro tema que comanda a política do EUA neste momento.

 

Hillary quer saber: Trump reconhecerá o resultado das eleições? Trump se nega a responder. No seu estilo mordedor, diz que prefere esperar mais um pouco, para ter clareza do que dizer.

 

Hillary o relembra dos 240 anos de história dos EUA, onde um candidato derrotado jamais deixou de reconhecer os resultado de uma eleição presidencial. Mesmo assim, Trump bufa e fala para seus eleitores mais radicais: eu me dou o direito de responder isso após o pleito. Desse trunfo, não abro mão.

 

O que há por trás de tanta preocupação democrata com o reconhecimento de sua provável vitória sobre velhinho maluquinho: a legitimidade, a governabilidade.

 

A preocupação é de que o “estilo Trump”, ao negar a legitimidade de sua derrota, traga revolta às ruas, desmorone o Partido Republicano, desorganize o sistema político americano, crie instabilidade. Ele já ameaçou com essa hipótese. Fala para seus eleitores mais conservadores, que gritam a todo pulmão, amam as armas e muitos dizem que gostam de usá-las.

 

Alguém se lembra de algum cenário parecido? Dilma, claro, que ganhou a eleição e não governou o Brasil. As proporções e os riscos são diferentes, não há dúvidas, mas é disso que Hillary está tratando, ao inquirir Trump e tentar comprometê-lo, antes do pleito, com o reconhecimento da vitória.

 

Aqui fica a lição para o perfil de novas equipes de campanhas, e novos e velhos profissionais de comunicação eleitoral: ganhar já não basta, é necessário ganhar com olhos na governabilidade.

 

Foi isso que ficou claro na atuação de João Santana e em seus ataques na campanha de Dilma: volúpia de ganhar por ganhar, sem nenhuma preocupação com a governabilidade.

 

Se foi armadilha, não se sabe. Mas João Santana, com seu produto de comunicação fechado em si mesmo, ajudou a inviabilizar a governabilidade com seus ataques e seu estilo.

 

O resultado obtido – ganhar e não governar – é vitória? Óbvio que não, para não falar das outras consequências que o impedimento e a derrota trouxeram.

 

Havia como comprometer Aécio com o respeito ao resultado? Sim. Havia como atacar Marina de forma a deixar menos rastros e ódio? Sim. No fundo, era necessário ter consciência de que, naquele pleito, ganhar sem ataques à governabilidade era tão importante quanto ganhar.

 

Aécio pediu recontagem de voto no dia seguinte ao resultado final e se iniciou o processo de ingovernabilidade. que levou à queda de Dilma. Sua queda anunciada, o pós-campanha que sempre é brindado pelos eleitos, no caso dela foi se atar a um processo irreversível, no qual sequer houve o olhar para a necessidade de diálogo, de ampliação política, tão desgastado estava o ambiente.

 

Ou seja, a partir de agora, com os instrumentos de transparência na comunicação que surgiram, candidatos e equipe não podem se dedicar apenas a vencer, para depois ver como é que fica. Devem vencer sem destruir a governabilidade, se estiverem trabalhando em democracias, não ditaduras.

 

Tarefa difícil, que exige maturidade política. Mas ela responde a uma necessidade, que se torna a cada pleito mais aguda no mundo inteiro: a de enfrentrar a perda de representatividade. E de forma sólida, pois a exigência de coerência e desempenho se torna cada vez mais é permanente, neste mundo de política segundo a segundo.

 

Trump vai aceitar o resultado? Hillary quer saber. E assim, concordando ou discordando, ele já se vê no constrangimento de conspirar contra a democracia norte-americana. Não será tão fácil como foi aqui. Provavelmente, não acontecerá.

 

E mesmo assim, Hillary e sua equipe fazem campanha de olho na governabilidade.

 

 

Fotomontagem: slate.com

 

 

 

 

Publicitário, criador das campanhas Lula Presidente-1989 e 1994 e Marina Silva em 2010. Com experiência em campanhas majoritárias em diversos estados brasileiros.

Publicações relacionadas

Obama lança Tweeter oficial e brinca com Bill Clinton

Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Hillary é “lutadora” em filme de campanha ao governo dos EUA

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...