pesquisas

Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 revela os hábitos de informação dos brasileiros

21 dez 14
Perfil

Haendel Dantas informa em Comunicadores:

 

 

O Governo Federal, em especial a SECOM (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), divulgou na última sexta-feira, dia 19, a Pesquisa Brasileira de Mídia 2015, que visa dar um panorama sobre os hábitos de consumo de mídia da população brasileira.

 

A pesquisa revela que a televisão segue como meio de comunicação predominante, que o brasileiro já gasta cinco horas do seu dia conectado à internet e que os jornais são os veículos mais confiáveis. Então, para quem trabalha com mídia, comunicação, marketing, etc, é uma fonte de dados importantíssima para se traçar estratégias e montar o planejamento.

 

Abaixo, coloco um resumo da pesquisa:

 

– 95% dos entrevistados afirmaram ver TV, sendo que 73% têm o hábito de assistir diariamente. Em média, os brasileiros passam 4h31 por dia expostos ao televisor.

 

– O rádio (por incrível que pareça para muitos) continua o segundo meio de comunicação mais utilizado pelos brasileiros.

 

– Jornal é a fonte de informação mais confiável.

 

– O uso de plataformas digitais de leitura de jornais ainda é baixo: 79% dos leitores afirmam fazê-lo mais na versão impressa, e 10% em versões digitais.

 

– Praticamente a metade dos brasileiros, 48%, usa internet.

 

– O uso de telefones celulares para acessar a internet já compete com o uso por meio de computadores ou notebooks, 66% e 71%, respectivamente. O uso de redes sociais influenciou esse resultado.

 

– Entre os internautas, 92% estão conectados por meio de redes sociais, sendo as mais utilizadas o Facebook (83%), o Whatsapp (58%) e o Youtube (17%), Instagram (12%) e Google+ (8%). O Twitter foi mencionado por apenas 5% dos entrevistados.

 

– E segundo a pesquisa, os “Horários Nobres” da internet brasileira são entre 10:00 e 11:00 e 20:00 e 21:00.

 

Um dos destaques foi o WhatsApp, que segundo o Ministro  Thomas Traumann:

 

“É o grande desafio, porque é uma coisa completamente nova. Não é como o Facebook, ou como o Twitter. [Quem recebe a mensagem] não sabe de onde está vindo aquela informação: de onde ela veio? Quem mandou primeiro? São coisas que o Whatsapp ainda não resolveu. Então esse é um desafio que quem produz notícia, quem produz publicidade, vai ter que enfrentar”, analisou.

 

 

 

 

VEJA A ÍNTEGRA DA PESQUISA BRASILEIRA DE MÍDIA 2015

 

 

POR HAENDEL DANTAS – REPRODUZIDO DE COMUNICADORES

(Foto: Aline Carneiro)

 

Marqueteiros reproduz notíticas e artigos relevantes sobre a comunicação política, publicados na imprensa brasileira e mundial.
últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...