opinião

Marqueteiro, o Vilão Útil

23 fev 16
Perfil

Em novembro do ano passado, a convite de Ana Carla de Sá e José Carlos de Menezes, participei de um evento muito interessante: o COMAPE – I Congresso Online de Marketing Político e Eleitoral. Profissionais com experiências as mais distintas na comunicação política gravaram palestras em vídeo, que foram veiculadas entre os dias 25 e 29 daquele mês, em um hot-site de internet. Eu fui um deles e o tema que abordei dá nome a este post.

 

Em vez de tratar de alguma questão específica da atividade que exerço há mais de 30 anos, eu procurei fazer uma análise geral. Busquei examinar o sentido do marketing político entre nós, a forma como é percebido e o juízo que os brasileiros fazem do profissional que o executa, aqui batizado “Marqueteiro”.

 

Segue a íntegra da palestra em vídeo e, na sequência, o roteiro esquemático da exposição:

 

 

 

 

Marqueteiro, o Vilão Útil

 

Síntese –  Em um sistema político disfuncional, em que os partidos e os detentores de mandato têm baixa representatividade, pouca transparência e são amarrados por compromissos com os seus financiadores empresariais – que também financiam a imprensa e tornam hipócrita a vigilância ética que ela pretende exercer sobre a vida política -, os profissionais da comunicação são o alvo perfeito para distrair a opinião pública. Toda reforma política que se faz no Brasil invariavelmente ataca os marqueteiros e prejudica o exercício da atividade.

 

1) Visão do Político: “Mal Necessário”

 

  • Necessidade do Marqueteiro > O político sabe que precisa, mas detesta admitir isso. Vaidoso e autista, em geral, enxerga o mundo pelo umbigo e julga o marqueteiro um “mal necessário”, do qual procura se livrar assim que pode.

 

  • A primeira necessidade do marqueteiro, mais do que produzir comunicação eficiente, é a de ser o culpado pelo resultado eleitoral > “Eu ganho, você perde” > A vitória é sempre dos méritos do político; a derrota, sempre dos erros do marqueteiro.

 

  • Marqueteiro é pago para ser culpado e, depois, prejudicado > o publicitário francês Jacques Séguéla resume a postura dos políticos contra os marqueteiros: “Nenhum político aceita facilmente que lhe apontem os erros. Em revanche, uma vez eleitos, vingam-se. São propagandófobos, por natureza e também por demagogia. Afinal, é mais fácil proibir a propaganda que alterar os costumes” (em A Vertigem das Urnas, Editora Tag & Line, 2006)

 

2) Visão da Imprensa: “Usurpadores”

 

  • A imprensa não aceita o marketing político porque rompe o monopólio dela, na construção do discurso público sobre a política. Ele produz discurso autônomo para candidatos, parlamentares e governantes, em meios de difusão igualmente autônomos. Não os obriga a beijar a mão de editores, em busca de reportagens e entrevistas para chegar aos eleitores e de benevolência nos comentários e avaliações. Isso irrita profundamente a imprensa, sempre “dona da voz”.

 

  • Não é por outra razão que a imprensa cunhou o termo “marqueteiros”, com sentido claramente pejorativo e derivado de “politiqueiros”. O étimo também remete a interesseiros, aventureiros, mexeriqueiros. Usurpadores da boa palavra política, em suma. Construtores ilegítimos de discurso.

 

  • Para reforçar a personagem negativa, a imprensa constrói o marqueteiro como um ser onipotente, inescrupuloso e ganancioso. Todo marqueteiro, para os jornais, põe os políticos para quem trabalha a seus pés, comete qualquer vilania sem pestanejar e topa tudo por dinheiro.

 

  • A imprensa constrói a lenda de que a pureza da política, a integridade, é conspurcada pelo marqueteiro. É a ideia do “bom selvagem” de Rousseau, em versão eleitoral: o político seria naturalmente espontâneo, sincero e verdadeiro na sua fala e o marqueteiro impediria isso, impondo uma falsidade estudada.

 

3) Visão do Eleitorado: “Grande Satã”

 

  • O analfabetismo político no Brasil é explosivo. Supera o analfabetismo funcional, que já é enorme. As pessoas entendem muito pouco do que lêem, têm dificuldade primária de intelecção e interpretação de textos. De política, não entendem praticamente nada: o funcionamento do Estado e das instituições democráticas, os níveis de governo e suas responsabilidades, as possibilidades e os limites da ação política, etc. Isso vale para todas as classes sociais e níveis de instrução. Mesmo gente pós-graduada pode ser infantil com a política.

 

  • A dificuldade de entendimento objetivo da política faz dela um assunto subjetivo e personalista. As pessoas gostam ou desgostam da política, e concentram seu amor ou ódio em personagens, cujos poderes reais ignoram.

 

  • As pessoas reagem aos conflitos políticos com o coração e o fígado, muito pouco com a razão. Sentem intensamente, mas pensam muito pouco.

 

  • A informação primária que as pessoas recebem da política vem da imprensa, portanto é mediada por valores, idiossincrasias e interesses econômicos e políticos dessa corporação. Mas as pessoas não enxergam isso. Ou, se enxergam, não aceitam que isso provoque distorção no noticiário e nos comentários. Compram a ideia de “neutralidade” da imprensa, que é ideologia pura – hábil e reiteradamente manipulada. Tomam por verdade o que lêem, sem maiores dúvidas ou questionamentos.

 

  • O resultado de tudo isso é que o eleitor, ignorante da política objetiva, passional nos juízos que faz e crente na superioridade moral da imprensa, embarca na demonização do marketing político. Compra a ideia de que o marqueteiro é o responsável pela “deterioração” da política, que jamais foi santa ou virtuosa, mas seria corrompida em sua pureza imaginária pela insidiosa ação do marqueteiro.

 

4) Razões da Fragilidade

 

  • Atividade sazonal, atrelada às eleições > Desenvolve-se por um período médio de 4 meses, a cada 2 anos > Reflui quase à inexistência, nos intervalos das eleições > Não há marketing político regular para partidos, nem para governantes ou parlamentares eleitos.

 

  • Atividade profissional complementar > Jornalistas, publicitários, radialistas, informatas, sociólogos (pesquiseiros), advogados e técnicos variados fazem um “bico”, em busca de remuneração mais alta > A remuneração mais alta é oferecida justamente porque a atividade não é regular e necessita de grandes equipes, multifuncionais, que são montadas atraindo gente empregada no mercado regular de trabalho

 

  • Atividade informal, pouco transparente > A origem dos recursos é sempre obscura, velada > São comuns as propostas de pagamento “por fora”, pagamento direto dos financiadores aos profissionais envolvidos, e pagamento em dinheiro (cash) ou em conta no exterior > É difícil fazer contratos com os clientes (partidos ou candidatos), difícil que eles honrem o contratado e difícil fazer valer direitos na Justiça.

 

  • Para poderem trabalhar, os profissionais frequentemente aceitam a informalidade. Tornam-se cúmplices do processo e não cobram transparência, porque também não têm interesse nela.

 

  • Demonização e informalidade, combinadas, desestimulam os profissionais a “assumir” publicamente sua atividade em marketing político. A ampla maioria não tem coragem de se apresentar como marqueteiro, nem mesmo consultor político.

 

  • Se não existe um mercado regular de marketing político e se não há uma identidade clara e assumida dos marqueteiros, não pode haver organização da classe e mobilização coletiva pela defesa de seus interesses. As associações existentes têm representatividade nula, não organizam o setor e, em geral, servem a interesses empresariais dos que as constituem.

 

  • Todo esse quadro impede que os marqueteiros façam a defesa política da atividade, enfrentando a demonização, e que sejam ouvidos como categoria profissional organizada, quando surge algum problema ou alguma iniciativa regulatória que os afeta.

 

5) Prejuízos Regulatórios

 

  • Marqueteiro não opina nem influi em regulação eleitoral > Todas as decisões parlamentares sobre o funcionamento das eleições, das campanhas eleitorais e da comunicação política são tomadas sem consulta à categoria. > No máximo, alguns marqueteiros mais destacados são chamados a opinar, pontualmente, mas o fazem em caráter pessoal, individual > Não há organização da classe, não há consulta formal a um organismo de classe, nem pressão organizada da classe para que ela exista.

 

  • Marketing político é a única atividade profissional que é regulada integralmente pelo cliente. Ele faz e desfaz as leis e as regras contratuais, a seu critério, conforme sua conveniência, sem que os profissionais da área sejam sequer escutados.

 

  • No que tange à comunicação, toda regulação que se produz é episódica e reativa > Deriva da insatisfação com resultados eleitorais e com as campanhas que os produziram > É sempre censória, sempre buscando proibir o uso de técnicas, ferramentas ou recursos > O entendimento parece ser de que a boa comunicação política é a manietada, a vigiada, a censurada, a impedida > A imprensa e a propaganda comercial podem e devem ser livres, mas a propaganda política deve ser censurada.

 

  • Já tivemos a proibição do uso de imagens em movimento na televisão (1994), o que quadruplicou o tempo e o custo da edição dos programas eleitorais / Tínhamos até agora a proibição de uso de imagens externas nos comerciais inseridos na grade, que eram liberadas nos programas eleitorais / Temos agora a imposição de que apenas o candidato apresente os problemas que deseja enfrentar e as propostas de enfrentamento > Tudo arbitrário, sem qualquer sentido ou lógica de comunicação.

 

  • Além da censura regulatória, o marketing político enfrenta a arbitrariedade judicial > Cada juiz eleitoral interpreta a lei a seu critério, independente de normatização expedida pelo TSE > O que é aceito numa campanha, em determinada praça, é proibido em outra, em outro estado. > A censura prévia é proibida por lei, mas muitas vezes o juiz eleitoral a pratica, exigindo vistas prévias ao conteúdo que será veiculado e proibindo a sua emissão.

 

  • O resultado disso tudo é que o trabalho do marqueteiro, muitas vezes, consiste mais em contornar as limitações regulatórias e judiciais impostas ao trabalho do que em enfrentar a ação comunicativa dos oponentes > Duela-se tanto com os adversários quanto com os juízes.

 

6) Alteração do Quadro: Propostas de Ação

 

  • Trabalhar pela perenização da atividade. Legitimar e instituir o marketing político como ferramenta regular para partidos políticos, governos e parlamentares.

 

  • Assumir a identidade de Marqueteiro. Apresentar-se como tal. Enfrentar o debate sobre a legitimidade da profissão. Conselheiros políticos existem desde que existe a política; são tão legítimos quanto ela. Afirmar isso socialmente.

 

  • Trabalhar pela formalização e transparência da atividade. Exigir contratos e recusar pagamentos irregulares.

 

  • Politizar e organizar a categoria. Apresentar-se coletivamente, como classe profissional, no debate público. Estimular o surgimento de lideranças e mobilizar-se para apoiá-las na luta política.

 

  • Combater a satanização da atividade. Enfrentar o discurso desqualificador. Afirmar a importância da comunicação política, para a qualidade dos processos eleitorais e o melhor conhecimento da política, suas regras e suas práticas.

 

 

Foto: 4.bp.blogspot

 

 

Jornalista, diretor de televisão e professor, tem 40 anos de atividades em mídia eletrônica e impressa. Dirigiu, editou ou colaborou nos principais veículos brasileiros. Organizou nacionalmente a televisão universitária. Atuou em 19 campanhas eleitorais.

Publicações relacionadas

Tradutores de Politiquês

Marqueteiros, Mitos e Desafios

Marqueteiro, o grande incompreendido

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...