história

A origem do marketing político

27 fev 16
Perfil

Bruno Lupion narra:

 

As campanhas eleitorais dependem cada vez mais das técnicas publicitárias para terem sucesso. A estratégia de unir políticos a especialistas em marketing de renome começou em 1952, nos Estados Unidos. Era uma época em que a televisão em preto e branco já estava presente em mais da metade dos lares americanos, mas os candidatos mantinham uma abordagem antiquada: veiculavam apenas reprises na íntegra de seus comícios, no horário da madrugada.

 

A fórmula Eisenhower para derrotar os democratas

 

Naquele ano, o candidato republicano Dwight D. Eisenhower decidiu contratar o publicitário Rosser Reeves, que criara o slogan do chocolate M&M “derrete em sua boca, não em sua mão”, para assessorá-lo na campanha. Eles criaram uma novidade: inserções curtas na televisão, de 20 segundos a um minuto, no horário diurno.

 

Algumas inserções resumiam as propostas por meio de desenhos animados. Outras mostravam o próprio Eisenhower respondendo a perguntas de cidadãos americanos, sobre temas como o alto preço dos produtos ou a guerra da Coreia.

 

Eisenhower, apelidado "IKE", e trechos de sua propaganda

Eisenhower, apelidado “IKE”, e trechos de sua propaganda

 

A estratégia deu certo. O republicano Eisenhower venceu a eleição, após vinte anos de domínio dos democratas na Casa Branca. Os vídeos estão disponíveis no The Living Room Candidate”.

 

Nos Estados Unidos, o espaço na grade da TV é comprado pelas campanhas dos candidatos. Ao contrário do Brasil, onde o horário eleitoral é gratuito para os políticos e custeado pelo poder público, na forma de renúncia fiscal às emissoras.

 

Em 1960, outra faceta dos marqueteiros políticos emergiu nos Estados Unidos: a preparação dos candidatos para os debates televisionados. A performance de John Kennedy no primeiro debate transmitido ao vivo pela televisão, muito superior à de Richard Nixon, ajudou a fazê-lo chegar à Casa Branca.

 

No Brasil, MDB irritou ditadura com propagandas

 

O MDB (Movimento Democrático Brasileiro), que fazia a oposição permitida por lei ao regime militar, obteve um bom resultado nas eleições legislativas de 1974 graças ao uso de peças publicitárias que denunciavam problemas políticos e econômicos do país e apresentavam o partido como o legítimo representante do povo.

 

As mensagens do MDB eram transmitidas no rádio e na televisão:

 

 

Naquele pleito, o MDB elegeu 335 deputados estaduais, 160 deputados federais e 16 senadores em 22 Estados.

 

Após Lei Falcão, apenas foto e currículo

 

Ernesto Geisel, então presidente do Brasil, e seus assessores militares não gostaram do resultado eleitoral de 1974 e restringiram severamente a propaganda política.

 

Em 1976, entrou em vigor a Lei Falcão, que proibia discursos, jingles ou imagens externas com cenas montadas ou figurantes. A propaganda eleitoral se transformou numa sequência de fotos com o nome do candidato, o partido, e um locutor narrando seu currículo:

 

 

Na primeira campanha na democracia, a Rede Povo

 

Em 1989, primeira eleição presidencial após a redemocratização, os candidatos a presidente tinham, no total, direito a transmitir 136 minutos diários de propaganda em rádio e televisão. Ulysses Guimarães (PMDB) contava com 22 minutos, ao passo que Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Mário Covas (PSDB), Leonel Brizola (PDT) e Paulo Maluf (PDS) apareciam na tela por 10 minutos cada um.

 

Um recurso de marketing eleitoral que marcou aquela campanha foi a “Rede Povo”, um programa criado pelo PT que fazia uma paródia da Rede Globo, inclusive com o “plim-plim” da emissora carioca, para apresentar a candidatura de Lula usando a linguagem de um programa jornalístico.

 

O vídeo abaixo da “Rede Povo” mostra a coleta de doações financeiras à campanha de Lula e faz críticas a Maluf, Collor e Ulysses:

 

 

A produção televisiva da campanha de Lula do primeiro turno de 1989 contou com US$ 600 mil, em valores da época, segundo o livro “Notícias do Planalto”, de Mario Sergio Conti.

 

Na mesma obra, Conti registra que a estrutura da campanha televisiva de Fernando Collor (PTB) era “luxuosa”, chegou a ter mais de 10 equipes simultâneas de reportagem e contava com equipamentos avaliados em US$ 4 milhões.

 

Nas disputas presidenciais de 1994 e 1998 o padrão técnico das campanhas evoluiu, mas os marqueteiros ainda não tinham o status de estrelas. Aqui, um exemplo da campanha de Lula, em 1994, e um da campanha de Fernando Henrique Cardoso, em 1998.

 

A virada de 2002, com Duda e Lula

 

A contratação de Duda Mendonça pela campanha de Lula de 2002 marcou a guinada do PT em direção ao marketing político de resultado. O publicitário desenvolveu o conceito do “Lulinha paz e amor”, que mostrava o petista como um político maduro e avesso a radicalismos. A vitória de Lula, após três derrotas eleitorais seguidas, elevou Duda ao status de mago da propaganda política.

 

Naquela campanha, as peças televisivas passaram a usar de forma intensa imagens de cenas fictícias, com tomadas externas e figurantes:

 

 

A campanha de José Serra (PSDB), com o marqueteiro Nelson Biondi e Nizan Guanaes, fez uso dos mesmos recursos:

 

 

Oficialmente, a campanha de Lula de 2002 custou R$ 39,3 milhões e a de Serra, R$ 34,7 milhões, segundo a prestação de contas à Justiça Eleitoral, em valores da época.

 

Três anos depois, em 2005, Duda Mendonça admitiu à CPI dos Correios que havia aberto uma conta no exterior para receber, por meio de caixa dois, R$ 15 milhões referentes ao pagamento de dívidas do PT pela produção dos programas eleitorais. Duda foi absolvido em 2012 pelos crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro, no julgamento do mensalão.

 

A entrada de João Santana

 

João Santana, que havia trabalhado com Duda Mendonça, assumiu a campanha de Lula em 2006. Com a popularidade em alta, não foi difícil reeleger o petista. A Pólis Propaganda e Marketing, empresa de João Santana, ganhou R$ 13,7 milhões pelo trabalho naquele ano com o PT.

 

Em 2012, na campanha do então candidato a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, João Santana levou ao extremo o uso de tomadas externas e computação gráfica de última geração.

 

Um exemplo é a peça onde Haddad explicava seu projeto urbanístico para a cidade, comandando modificações em uma maquete holográfica:

 

 

A campanha de Haddad custou R$ 68 milhões, dos quais R$ 30 milhões (45% do total) serviram para bancar a empresa de João Santana.
Dois anos depois, em 2014, a campanha de reeleição de Dilma dirigida por João Santana foi marcada por propagandas que exploraram o medo do eleitor. Marina Silva, então no PSB, que chegou a ficar em empate técnico com a presidente nas pesquisas eleitorais, virou alvo da campanha petista.

 

Uma das peças acusava Marina de defender propostas que tirariam a comida da mesa dos brasileiros:

 

 

A estratégia de explorar o medo adotada por João Santana deu certo: Marina começou a cair, também por erros próprios, e Dilma foi ao segundo turno contra o tucano Aécio Neves.

 

Em 2014, a campanha à reeleição de Dilma custou, oficialmente, R$ 318 milhões, e a de Aécio Neves, R$ 217 milhões. A de Marina Silva e Eduardo Campos custou R$ 61 milhões, em valores da época, declarados à Justiça Eleitoral.

 

João Santana também já fez as campanhas vitoriosas de quatro presidentes de outros países: Em 2009, Mauricio Funes (El Salvador), e em 2012 Hugo Chávez (Venezuela), Danilo Medina (República Dominicana) e José Eduardo Santos (Angola).

 

O marqueteiro está preso pela suspeita de ter recebido ilegalmente no exterior US$ 7 milhões de um lobista e da Odebrecht, empresa acusada de participar dos desvios da Petrobras.

 

No futuro, uma possível inflexão?

 

Há muitos anos alguns políticos e analistas apontam a necessidade de reduzir os custos das campanhas, para diminuir a dependência dos candidatos de grandes doadores.

 

Isso tende a ocorrer neste ano, com a proibição de doações de pessoas jurídicas e menos tempo de campanha na televisão, que encolheu de 45 para 35 dias. O valor dos contratos com os marqueteiros deve cair.

 

A mudança da forma da propaganda eleitoral, contudo, não garante novidades quanto ao seu conteúdo. A partir de 26 de agosto, quando começa a propaganda eleitoral gratuita deste ano, o eleitor poderá tirar sua conclusão.

 

 

Fonte: Nexo Jornal – 24/02/2016

 

Foto: yeux.com.mx

 

 

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.

Publicações relacionadas

Seis Truques do Marketing Político

Demonização e Paternalismo no Marketing Eleitoral

Como o marketing político decide as eleições

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...