opinião

Novos desafios do marketing político

27 fev 16
Perfil

Cristovão Pinheiro* opina:

 

A quantidade das ferramentas e as formas disponíveis para se fazer comunicação estão sendo ampliadas todos os dias, exemplo disto é influência da internet, que através das redes sociais, portais de informações e outros meios torna a informação cada vez mais democrática e conseguintemente difícil de manipulação. Porém, na contramão dessa evolução surge a dificuldade em prender a atenção do público, gerando entre os meios de comunicação acirrada disputa.

 

Para os marqueteiros e políticos os desafios são ainda maiores. Para tal conclusão não precisamos realizar estudos aprofundados sobre o assunto, basta apenas se perguntar qual a última propagada eleitoral que ouviu no rádio ou que assistiu na TV e qual interesse ela despertou em você sobre o tema abordado, e provavelmente a resposta será que nenhum interesse foi despertado.

 

Mas por que tanta falta de interesse das pessoas sobre assunto? Isto acontece por diversos motivos, mas podemos enumerar os dois principais.

 

Primeiro porque, devido à grande quantidade de casos de corrupção, os eleitores não consideram a maioria dos políticos brasileiros um bom negócio. Segundo, porque a comunicação que a maioria promove está fora da realidade do eleitor, já que os métodos de se comunicar continuam praticamente os mesmos de décadas atrás, onde bastava alguns slogans bonitos, como base central da campanha eleitoral ou governamental e as propostas ou programas serviriam apenas como temas secundários.

 

A figura do marqueteiro, que em um passe de mágica resolvia todos os problemas do marketing político, parou de existir. Os clichês bem elaborados já não emocionam os eleitores como antes. O eleitor de hoje tem um comportamento mais questionador. Além da beleza da propaganda eleitoral, ele deseja ver apresentado um bom conteúdo e uma boa historia de vida. Se o candidato usa o slogan de campanha “Este é honesto de verdade” a sua vida pública não pode ser diferente.

 

Devemos sempre ter em mente que apostar no bom senso associado ao estudo rigoroso através de pesquisas quantitativas e qualitativas e um processo de planejamento coerente, ainda é o melhor caminho para que o político possa  ir de encontro com as expectativas dos seus pretensos eleitores.

 

(*) Cristovão Pinheiro é jornalista, Publicitário e Consultor Político. Coordenou e participou de diversas campanhas eleitorais, presta consultoria em Marketing Político e é membro da IAPC – International Association of Political Consultants, associação que congrega os melhores profissionais de Marketing Político do mundo.

 

 

Fonte: Folha de Brasília – 31/07/2015

 

Ilustração: Folha de Brasília

 

 

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.

Publicações relacionadas

Marketing político não é propaganda enganosa

Por mais estratégia e marketing nos protestos políticos

Correlação das Estratégias de Marketing Político com o Processo de Decisão do Eleitor

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...