financiamento

Dez ministros receberam doações de empresas interessadas em suas pastas

31 mai 16
Perfil

Raphael Kapa informa:

 

Dez dos 23 ministros do presidente em exercício, Michel Temer, vêm de mandatos no Congresso (eram deputados federais ou senadores antes de tomar posse) e, em suas últimas campanhas eleitorais, receberam doações de empresas ou pessoas físicas que hoje têm interesse nas decisões que eles tomam na Esplanada dos Ministérios. O levantamento foi feito pela Lupa com base nos dados de financiamento registrados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e sistematizados pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP/FGV).

 

O Ministério dos Transportes é hoje comandado pelo deputado federal Maurício Quintella Lessa (PR-AL). Em 2014, quatro construtoras doaram para a campanha dele um total de R$ 783 mil, que representava quase 35% do financiamento recebido por ele. Duas dessas construtoras trabalham com obras viárias. A Sanchez Triploni, que atua na BR-222, na BR-230 e na BR-153, por exemplo, doou R$ 150 mil para o então candidato a deputado. A Barbosa de Mello Construtora, que trabalha na BR-101, na BR-381 e na BR-153, repassou R$ 100 mil à campanha dele.

 

O deputado Osmar Terra (PMDB-RS) assumiu o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário no governo Temer. A maior parte do financiamento de sua campanha eleitoral (20%) vem de empresas do setor agrário. A JBS, dona da marca Friboi, é a principal doadora. A companhia aportou R$ 200 mil à última corrida eleitoral do peemedebista.

 

Titular da Saúde, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) recebeu, durante sua última campanha, R$ 100 mil de Elon Gomes de Almeida, presidente do grupo Aliança, empresa que administra planos de saúde. Esse valor corresponde a 3,1% do total arrecadado por toda a campanha de Barros à Câmara.

 

O deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), hoje ministro das Cidades, teve 22% de suas doações eleitorais oriundas de empresas de construção, engenharia e infraestrutura urbana. Foram R$ 840 mil procedentes deste segmento.  A Ética Construtora foi a empresa que mais contribuiu, doando R$ 300 mil. Em seu site, ela informa que trabalha com drenagem, pavimentação, saneamento e eletrificação.

 

O novo titular do Ministério do Esporte, o deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), possui sua base eleitoral no Rio de Janeiro – cidade que receberá os Jogos Olímpicos de 2016. Na campanha de 2014, recebeu R$ 800 mil das empreiteiras Queiroz Galvão, OAS e Carioca Engenharia, todas ligadas a obras como o Parque Olímpico de Deodoro, o Porto Maravilha, o BRT Transolímpico e a linha 4 do metrô do Rio de Janeiro. Percentualmente, esse valor representa 23% de tudo que Picciani arrecadou para sua última disputa eleitoral.

 

Lupa-1

Fonte: DAPP/FGV e TSE – Arte: Agência Lupa

 

A pasta de Minas e Energia de Temer ficou com o deputado Fernando Bezerra Filho (PSB-PE). Uma análise de suas contas de campanha indica que a terceira empresa que mais contribuiu para que ele conquistasse uma vaga na Câmara dos Deputados foi a Zipco. A companhia atua no setor de extração mineral, siderurgia e metalurgia e repassou à campanha de Bezerra Filho R$ 100 mil (11% do total).

 

Novo ministro da Defesa, o deputado Raul Jungmann recebeu em sua campanha R$ 384,8 mil da construtora Norberto Odebrecht. Esse valor representa 27% do total arrecadado para financiar suas atividades na eleição de 2014. A empresa é uma das responsáveis pela construção de um submarino com propulsão nuclear do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) da Marinha brasileira.

 

O deputado Sarney Filho (PV-MA), titular do Meio Ambiente, recebeu R$ 225 mil da Marquesa S.A. Em seu site, a empresa que foi responsável por 12% de tudo que Sarney Filho arrecadou na campanha de 2014, afirma que é responsável pela gestão de “ativos florestais (fazendas de florestas plantadas) do Grupo Jari” e que trabalha com a venda de madeira certificada, de celulose e de minerais.

 

Para o Ministério do Trabalho, Temer nomeou o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS). Entre os financiamentos de campanha oriundos de empresas, há duas companhias que já tiveram problemas na Justiça por irregularidades trabalhistas. A JBS, que doou cerca de R$ 131 mil a Nogueira, foi condenada pelo Ministério Público do Trabalho a pagar R$ 350 mil de multa por desrespeitar os limites de jornada de trabalho de seus funcionários em Mato Grosso. E a Gerdau, que doou R$ 36 mil, também teve condenação pelos mesmos motivos na cidade de Parnamirim (RN), sendo obrigada a pagar uma multa de R$ 30 milhões.

 

Por fim, o senador Blairo Maggi (PR-MT), atual o titular da Agricultura, foi eleito em 2010 com doações de campanha vindas de 24 empresas ligadas ao agronegócio. Dos R$ 5,6 milhões que ele arrecadou, quase R$ 2 milhões vieram deste segmento. O trabalho da FGV foi realizado a partir dos dados da eleição de 2014, já que, nas disputas eleitorais anteriores, não era obrigatório a discriminação detalhada das arrecadações feias pelos comitês regionais de campanha. Assim sendo, o levantamento sobre o novo titular da Agricultura foi feito pela Lupa com base apenas nas informações que Maggi repassou ao Tribunal Superior Eleitoral.

 

A Lupa procurou todos os ministros citados nesta reportagem para que comentassem as relações entre as doações de campanha e os ministérios que ocupam, mas, até a publicação desta checagem, só obteve retorno de seis deles. Veja abaixo as notas dos ministros:

 

Fernando Bezerra Filho:

 

“A empresa citada atua no ramo de Engenharia Civil, ramo no qual o Ministério de Minas e Energia não tem atuação na definição de políticas públicas. Trata-se de uma empresa de telhados para grandes galpões.”

 

Maurício Quintella Lessa:

 

“Informo que as doações feitas por empresas eram legalmente permitidas na época da campanha do deputado Maurício Quintella e que suas contas foram aprovadas pela justiça eleitoral.”

 

Leonardo Picciani:

 

“O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, recebeu doações de empresas para sua campanha, em 2014, por intermédio da direção regional do PMDB, em conformidade com a legislação eleitoral. O ministro assumiu a Pasta no dia 12 de maio de 2016, quando a maioria das referidas obras já estava concluída ou em fase de conclusão. O Ministério do Esporte não licitou nem realizou nenhuma das obras dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. As obras foram gerenciadas pela Prefeitura do Rio de Janeiro e pelo Comitê Organizador Rio 2016. Não há, portanto, qualquer irregularidade ou conflito de interesse.”

 

Osmar Terra:

 

“Todas as informações sobre doações para a campanha do ministro Osmar Terra estão à disposição no Tribunal Superior Eleitoral.”

 

Raul Jungmann:

 

“É importante ressaltar que os contratos do Ministério da Defesa com a Construtora Norberto Odebrechet S.A. foram firmados em data anterior a posse de Raul Jungmann como ministro da Defesa. Por isso, é incorreto associar qualquer informação de campanha aos contratos com a Pasta. No que tange os questionamentos sobre contratos, os pagamentos efetuados pela Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (COGESN), da Marinha do Brasil, à Construtora Norberto Odebrechet S.A. referem-se à implantação de estaleiro e base naval para construção e manutenção de submarinos convencionais e nucleares, dentro do contexto do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub).”

 

Ricardo Barros:

 

“O Ministério da Saúde esclarece que o ministro Ricardo Barros, nas quatro vezes em que foi eleito deputado federal, teve suas contas de campanha eleitoral aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, atendendo às exigências previstas na legislação. Cabe esclarecer que em 2014, a legislação permitia doações tanto de pessoas físicas quanto jurídicas, cabendo ao doador esse tipo de escolha. O valor gasto na campanha eleitoral de 2014 foi de R$ 3,1 milhões, a doação do cidadão Elon Gomes representa somente 3,1% (R$ 100 mil) do total. O Ministério informa ainda que continuará trabalhando na melhoria da atuação dos planos de saúde no Brasil, por meio da Agência Nacional de Saúde Suplementar, e que a atuação da gestão independe de relação partidária, jurídica ou pessoal. Uma gestão mais eficiente, bem como o aprimoramento das medidas de fiscalização e controle das informações de saúde, está entre as prioridades apresentadas pela pasta.”

 

 

Fonte: Lupa / Piauí

 

Foto: Mistura Sonora

 

 

Jornalistas, publicitários e especialistas em comunicação política trazem informação e análise para o debate público da atividade.

Publicações relacionadas

Empresas recuperam até 39 vezes o valor doado a políticos

Doação a filho de Renan era propina, diz empresário preso

74% dos brasileiros são contra doações eleitorais de empresas, diz pesquisa

últimas publicações
notícias Posto Ipiranga barra propaganda de João Dória na justiça

Mônica Bérgamo informa:   O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) aceitou pedido...

exterior Estátuas de Trump nu divertem os EUA

Estátuas que satirizam o candidato republicano à presidência, Donald Trump, foram espalhadas em cinco...

opinião Campanhas para governar, não apenas para ganhar

Donald Trump e Hillary Clinton, em debate na eleição presidencial norte-americana, colocam o dedo...

técnica O voto de garrafa

Aprendi a expressão “voto duro” na Bolívia, quando atuei como consultor na campanha de...

pesquisas Penúria nas pesquisas, vôo cego nas campanhas

A eleição municipal já começou e o mercado de pesquisas eleitorais também está em...

regulação Lei Falcão 2.0 no horário eleitoral: restrições e benefício

Em 1º de julho de 1976 foi promulgada a Lei nº 6.339, batizada em...

financiamento Campanha barata ou injusta?

Michael Freitas Mohallem* comenta:   A última mudança nas regras eleitorais, em 2015, teve...

depoimentos Os Prisioneiros da Caixa 2

Ao final de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, dentro do acordo de delação...

história Conselhos eleitorais com 2.000 anos de validade

Políticos disputam eleições há milhares de anos. E, antes mesmo de Jesus Cristo nascer,...